Conversas Sobre o Budismo – Shiwa Lha – Centro de Estudos do Budismo Tibetano

Conversas Sobre o Budismo

Participe destes encontros e venha descobrir e redescobrir alguns dos temas mais abordados do Budismo pela voz de um praticante do Centro Shiwa Lha e Grupo Kalachakra.


Conversas Piscoloia Analitica E Budista

Gilberto Cavalcanti falará sobre a sua a experiência como analista Junguiano e praticante do Budismo a partir de sua monografia de conclusão da Formação de Analista.

O ARQUÉTIPO, O CAMINHO E O CAMINHAR DA ALMA que aborda a relação entre o Budismo Tibetano e a Psicologia de Jung.

Imperdível!

Vou ter que responder por partes.

Gilberto Cavalcanti se formou em Psicologia em 1977, é Membro Analista da Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica e da International Association of Analítical Psychology desde 1997.
Ele se tornou um praticante de budismo em 1992. E começou a frequentar o Centro Shiwa Lha por volta de 2001.

Ele tem sido o facilitador do grupo de estudos Ler, contemplar, debater e meditar que acontece toda a segunda-feira no Shiwa Lha.

Whatsapp Image 2021 02 22 At 18.25.52

Retiros, como realizar

“Praticar o Dharma é integra-lo em todas as áreas de nossa vida. Não há melhor forma de compreender isso do que no ambiente protegido do retiro”

Terça-Feira, 23/02
20h a 21h

Ven. Tenzin Kunsang, estudiosa e praticante budista desde 1991, teve vários mestres principalmente Lama Zopa Rinpoche. Realizou vários retiros, no Brasil e no exterior, destacando-se os retiros coletivos de Kopan (1993, 1998), Lama Tsongkhapa, Itália (2004) e Light of the Path, EUA (2014, 2015 e 2016), e entre os vários retiros individuais, destaca-se o retiro solitário de um mês realizado em Osel Ling, Espanha.

Sempre ligada à FPMT, foi diretora do Centro Shiwa Lha, palestrante, dirigente de grupos de estudo e de retiros. Tradutora de programas, práticas e conselhos educacionais da FPMT, bem como livros, sutras, ensinamentos e traduções ao vivo de ensinamentos budistas.  Entre suas traduções, destacam-se A Liberação na Palma de Sua Mão, de Pabongka Rinpoche, com 978 páginas, Transformando Problemas, de Lama Zopa Rimpoche e Seja seu Próprio Terapeuta, de Lama Yeshe e o programa Descubra o Budismo.

Participou do comitê de organização das visitas de Sua Santidade, o Dalai Lama ao Brasil, desde a primeira na Eco-92, com seu primeiro ensinamento no Brasil e encontro com os budistas brasileiros, e também as visitas de Sua Santidade a Curitiba (1999), e São Paulo (2006 e 2011)

Produziu, em 1995, o evento “Músicas Sagradas – Danças Sagradas” com dois lamas e nove monges tibetanos, na Casa de Cultura Laura Alvim, Rio de Janeiro, com apresentação no teatro, ensinamentos e a construção de mandala de areia.

Em março de 2015, foi ordenada pelo Dalai Lama em Dharamsala, Índia. Atualmente dedica-se a dar sua contribuição ao Centro Shiwa Lha em tudo solicitado e, por recomendação de Lama Zopa Rinpoche, aos seus retiros pessoais.


Whatsapp Image 2021 02 11 At 22.34.23

Encontro com o Dharma

Condução Ven. Tenzin Kunsang e Ven. Tenzin Namdro

Terça-Feira, 16/02
20h a 21h

Ven. Tenzin Namdro e Ven. Tenzin Kunsang compartilharão suas trajetórias no Dharma e como organizar retiros em casa e em lugares remotos. Uma conversa com sessão de perguntas e respostas.

Ven. Tenzin Kunsang, estudiosa e praticante budista desde 1991, teve vários mestres principalmente Lama Zopa Rinpoche. Realizou vários retiros, no Brasil e no exterior, destacando-se os retiros coletivos de Kopan (1993, 1998), Lama Tsongkhapa, Itália (2004) e Light of the Path, EUA (2014, 2015 e 2016), e entre os vários retiros individuais, destaca-se o retiro solitário de um mês realizado em Osel Ling, Espanha.

Sempre ligada à FPMT, foi diretora do Centro Shiwa Lha, palestrante, dirigente de grupos de estudo e de retiros. Tradutora de programas, práticas e conselhos educacionais da FPMT, bem como livros, sutras, ensinamentos e traduções ao vivo de ensinamentos budistas.  Entre suas traduções, destacam-se A Liberação na Palma de Sua Mão, de Pabongka Rinpoche, com 978 páginas, Transformando Problemas, de Lama Zopa Rimpoche e Seja seu Próprio Terapeuta, de Lama Yeshe e o programa Descubra o Budismo.

Participou do comitê de organização das visitas de Sua Santidade, o Dalai Lama ao Brasil, desde a primeira na Eco-92, com seu primeiro ensinamento no Brasil e encontro com os budistas brasileiros, e também as visitas de Sua Santidade a Curitiba (1999), e São Paulo (2006 e 2011)

Produziu, em 1995, o evento “Músicas Sagradas – Danças Sagradas” com dois lamas e nove monges tibetanos, na Casa de Cultura Laura Alvim, Rio de Janeiro, com apresentação no teatro, ensinamentos e a construção de mandala de areia.

Em março de 2015, foi ordenada pelo Dalai Lama em Dharamsala, Índia. Atualmente dedica-se a dar sua contribuição ao Centro Shiwa Lha em tudo solicitado e, por recomendação de Lama Zopa Rinpoche, aos seus retiros pessoais.

Venha conversar sobre como praticar os ensinamentos de diversas maneiras!

Ven. Tenzin Namdro fez o seu primeiro contato com o budismo pelo filme “Sete anos no Tibete”. Ela recebeu os votos monásticos de Sua Santidade, o Dalai Lama, em 2005. Viveu na Índia e Nepal por sete anos, fez peregrinações e retiros em diversos lugares sagrados como Tibete, Bodhgaya (onde Buda se iluminou), Lawudo (região do Evereste).

Desde então, inspirada por seu mestre Lama Zopa Rinpoche, dedica-se à divulgação dos ensinamentos para que possam chegar ao maior número de pessoas. Colaborou na equipe de consultoria da novela Joia Rara, leu o Sutra da Luz Dourada no saguão do Senado Nacional, e banhou o mar de Fernando de Noronha com a placa de mantra de Nangyalma. Hoje é a diretora do Centro Shiwa Lha.


Quando O Mestre Aparece

Quando o mestre aparece

Condução Yuri Gomes

Terça-Feira, 20/10

O que é um mestre espiritual? Todos precisamos de um? Como ele ou ela se apresenta e como podemos reconhecê-los?

Desde os tempos do Buda, a figura do mestre tem lugar de destaque na vida dos praticantes. No contexto tântrico, as orientações de um professor são imprescindíveis para a realização dos estágios do caminho. No entanto, o real entendimento do que seria uma relação mestre-discípulo ainda gera confusão, principalmente nos dias de hoje.

Venha discutir o local que o mestre ou a mestre ocupa em nossa vida e como podemos nos relacionar com ele ou ela de forma virtuosa e benéfica para todos os seres!


Capa Do Livro Em Ingles How To Face Death Without Fear

Como aproveitar a morte – preparar-se para o dia mais desafiador da nossa vida

Condução Sergio Gouvêa

Terça-Feira, 6/10

Após os ensinamentos de Venerável Robina Courtin em Impermanência e Morte, neste encontro será feito uma apresentação do livro de Lama Zopa Rinpoche “Como aproveitar a morte – Preparar-se para o desafio final da vida sem medo.”

Um manual para a morte. Segundo alguns autores, o budismo pode ser classificado quanto a sua linguagem como “ conceitualização pragmática”. Algo prático para ser aplicado na vida e na morte.

Infelizmente o Budismo chegou na Europa no século XIX em plena era da racionalidade e foi então romantizado. Não era sequer definido como filosofia.
Um século depois ele ainda nos chega dessa forma. Afinal, como descendentes da racionalidade europeia, herdamos junto o niilismo. Niilismo: Esse buraco sem saída que aprisiona intelectuais e pensadores impregnados pela racionalidade e materialismo. Particularmente presente no meio médico. A ciência médica comparada à física, ainda é cartesiana e atrasada conceitualmente. Tudo isso sustenta a dificuldade de morrer no ocidente.

O Budismo traz a alternativa: não somos, nem não somos; estamos. Aqui a vacuidade encontra a Impermanência. Estamos vivos, estamos morrendo. Nem vivos, nem mortos.
Este manual de sobrevivência à morte deve ser estudado por budistas ou não budistas, mas nunca por budólogos. Há de se tomar estes ensinamentos e orientações como algo a ser aplicado pessoalmente e não em tese.
Espero que este resumo do livro possa trazer um mapa mental de todo o processo. Desta forma facilitar o seu estudo e a sua aplicação prática. Sérgio Gouvêa.

(Baseado no livro How to enjoy death – Preparing to meet life’s final challenge without fear – Lama Zopa Rinpoche).

Referências (apenas em Inglês)

Livros “How to face death without fear” – Lama Zopa Rinpoche

Documentário de S.S. o Dalai Lama – Facing death and dying well


3 Conversas Sobre O Budismo 1

Compaixão e Bodhichitta

Condução Agnaldo Graciano

Terça-Feira, 22/09

“Quanto maior a força de nossa bondade amorosa em relação aos outros seres, maior a força de nossa compaixão. E quanto maior a força de nossa compaixão, mais fácil será para nós desenvolver um senso de responsabilidade e tomarmos para nós a tarefa de trabalhar pelos outros. Quanto maior esse senso de responsabilidade, mais sucesso teremos em desenvolver Bodhicitta, a aspiração altruísta genuína para alcançar a iluminação para o benefício de todos.”

Dalai Lama no livro” Dzogchen – A essência do coração da Grande Perfeição

A compaixão é o desejo de que os outros fiquem livres dos sofrimentos físicos e mentais. É um pré-requisito para o desenvolvimento da bodhicitta que por sua vez é a determinação altruísta de alcançar a iluminação com o único propósito de iluminar todos os seres sencientes. Mas como desenvolvemos essas qualidades?! Venha descobrir e redescobrir a importância delas em nossa vida.